Total de visualizações de página

sábado, 31 de julho de 2010




"Pra fazer todo homem acordar
Cada braço lutar
Cada rosto sorrir,
Pra fazer a ciranda girar,
Cada mão se empenhar em um só construir."




Diversas vezes, julguei este mundo indigno, a vida que se vive, a humanidade que se revela vil.
Mais de uma vez, voltei para casa indignado com tudo o que se vê nas ruas, nos jornais, nas praças, nas calçadas.
Muitas vezes disse comigo " Não vale a pena lutar! Tudo deve ir de mal a pior. É só questão de tempo. Pouco tempo, inclusive."

Contudo, há algo na humanidade que me deixa perplexo. Existe uma coisa que eu  talvez não saiba muito bem o que é, que me deixa deslumbrado, que me acolhe, acalenta. Tranquiliza.

Hoje, descobri que esta coisa divina que o ser humano traz consigo é a força de acreditar no amanhã. A força de poder lutar continuamente contra tudo o que se vê, de almejar algo melhor, criar um mundo feliz.

Às vezes, quando eu paro para olhar o mundo em minha volta, me lembro de uma canção da minha infância, que me deixava muito triste quando eu a ouvia e ainda faz brotar algumas lágrimas em meus olhos:


Era uma casa muito engraçada
Não tinha teto, não tinha nada
Ninguém podia entrar nela, não
Porque na casa não tinha chão
Ninguém podia dormir na rede
Porque na casa não tinha parede
Ninguém podia fazer pipi
Porque penico não tinha ali
Mas era feita com muito esmero
Na rua dos bobos número zero



Lembro que para muitas crianças a letra desta música era uma letra alegre, engraçada, tal qual a casa que é cantata na canção. Mas para mim sempre foi uma letra que me não me inspirasse nada mais além de tristeza.
O mundo, às vezes, me parece esta casa, triste, sem cor, sem paredes, sem teto, sem um leito de repouso... Não oferece ao menos chão, para permanecemos de pé.
Todavia, descobri que cada um de nós somos capazes de nos tornar arquitetos desta casa. Fazê-la tornar-se essência do nosso trabalho. Precisamos dar vida a esta casa imaterial. Fazer dela abrigo, encanto e Paz.

Desejo que, cada vez mais, nos tornemos os arquitetos desta casa.
E que possamos construí-la na Rua dos bobos de nossa mente, pois é lá que nasce toda inocência, toda, esperança, toda alegria.





"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos mudar
Coragem para modificar as que podemos
e Sabedoria para distinguir umas das outras.
Hoje e sempre. Amém."


Renato Marques

2 comentários: