Total de visualizações de página

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

1 Minuto de contestação: Ao movimento Gota D'Água

Texto escrito a respeito da campanha Gota D'Água, que está sendo divulgada pelas redes sociais, contra a construção da usina de Belo Monte:

http://www.youtube.com/watch?v=TWWwfL66MPs



Não pelo dinheiro desperdiçado, não pela falta de planejamento, não pela incompetência, não pela soberba que outrora dominará algum governante, que dirá: "fiz a usina de Belo Monte", mas pela Amazônia - pela população do Xingu; estes sim, concientes, desalienados, que lutam pelos seus direitos.


Se você não tiver preguiça, você vai assistir esse vídeo. Se você, além de não ter preguiça, não for um ignorante, irá assinar a petição. Feito isso - é FATO (palavra popular em esta nossa rede social - o Facebook) -, irá divulgár o vídeo, agindo portanto como cidadão consciente, O SEU DEVER!!!

Por outro lado, ao invés disso, você pode ir assistir a novela, ou assistir a mais uma emocionante rodada do campeonato brasileiro.

Até o momento, 400321 apioaram esta causa. Parece bastante, mas se considerando que há em nosso país do futebol 180 milhões de brasileiros, concluir-se-á que ainda há muito trabalho pela frente.

"Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil."

É o que canta o hino da nossa Independência. No entanto, nasce geração, morre geração e nada de pátria livre. Será preciso proclamar uma nova independência? Sim! Contra a impunidade, contra a corrupção, contra o imoralismo político, contra o despeito à Educação e à Cultura, contra a demagogia!

A Independência ou a Morte - dos falsos governantes!

Assine a Petição: http://movimentogotadagua.com.br/assinatura




Renato Marques

Fotografia retirada do site http://exame.abril.com.br/economia/meio-ambiente-e-energia/noticias/os-acontecimentos-que-marcaram-o-ano-em-meio-ambiente-no-brasil-e-no-mundo?p=5

sábado, 30 de julho de 2011

Mas

...Mas você ainda está aqui -

no meu quarto,
no porta-retrato -
meu descompasso -,
no fogo-fátuo
do que se foi.


Renato Marques

domingo, 19 de junho de 2011

Quase



"E tudo acabou
E tudo fugiu
E tudo mofou"
(Carlos Drummond de Andrade)


Apenas meio triste, como estes que são meio felizes.
Meio calmamente inquieto.
Um pouco de muito não-se-sabe-o-que-se-é-ou-está.
Saudade é sempre uma verdade.
A paz é sempre um pouco de silêncio.
A vida é sempre muito disso tudo.
Quase.
Queria aprender a invariavelmente variável:
A equação dos que buscam sem dar por isso totalmente.
Ela, que é terminavelmente sem resultado exato.
Exato!
 - Buscar é viver?
Quase.
 - Amar é morrer?
Quase.
 - O poema acabou?
Quase
 - O bonde não veio?
Quase.

Quase.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

M U R O









Tornar-me um        muro, 
De                            pedra, 
Por viver em um  mundo
                                   Duro,
De                            pedra.


Renato Marques



segunda-feira, 9 de maio de 2011

O ácido cáustico - São Paulo



"Quando eu morrer, quero ficar,
Não contem aos meus amigos,
Sepultado na minha cidade,
Saudade."
(Mário de Andrade)


O ácido cáustico - São Paulo
- do salário sórdido, suado,
safado

O cáustico ácido - São Paulo
 - dos sem-teto sátiro, descalço
 selado

O ácido cáustico -   São Paulo
 - do assalto sóbrio - previsto,
sacado

O cáustico ácido -  São Paulo
 - do pedestre sôfrego, cansado,
surrado

O cáustico ácido - São Paulo
 - caótico trânsito - traçado
parado

Do cansaço supracitado
- São Paulo - do ácido cáustico
- Socorro!

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Enquanto Sol




"Você é meu sol
Um metro e sessenta e cinco
De sol"
(Edgard Scandurra)

"Enquanto houver sol
Enquanto houver sol
Ainda haverá"
(Sérgio Brito)

"Amor que move o sol, como as estrelas"
(Carlos Drummond de Andrade)

Enquanto você for sol,
Essa matéria celeste da criação
Divina, 
Girarei em sua órbita;
Enquanto brilhar a eterna luz
da sua vida.



Renato Marques

domingo, 24 de abril de 2011

Escritos Meus



Para que construir um mundo, se eu posso reconstruir a realidade?


Não é o "acreditar" que me incomoda, e sim o "ter que acreditar".


Para que seguir o padrão, se  eu posso caminhar com a razão?


Adoro as peripécias que o acaso me reserva!!! Adoro um "por acaso", essa expressão-instante, essa locução tão adverbial, tão repentina e espontânea, e tão capaz de me fazer sorrir.


 O marginalizado só é marginal porque alguém o marginalizou. Já parou para pensar isso, sociedade???


Rompendo com a cultura, com o conhecimento, com o fazer humano, com o conceito que o mundo atribui ao mundo.


"Viver é arte. Sofrer faz parte.


O pior egoísta é aquele que não partilha sua vida com os outros.


Mais belas que as palavras são as lágrimas.


Sinto dor. Logo, existo.


Nem triste, nem contente... Lírico!!!Lírico, ainda que um tanto grave


Uma ferida, no coração, é sempre uma ferida - sempre fica aberta -, nunca cicatriza.


É a vontade de ser melhor que me torna melhor. Não posso submeter-me a mim mesmo.


Dormir? É luxo de quem já se formou...




Renato Marques

domingo, 10 de abril de 2011

Novo Narciso


No bonito dos teus olhos,
Sou Narciso sem beleza,
Sem vida,
Sem ar,
Sem sombra de sorte,
Amigo da morte,
Sem mitologia,
Sem sapiência
Sem tédio,
Sem sombra de dúvida,
Sem vestígio de comoção própria.
Sem desaleamento.

No bonito dos teus olhos,
Fico cego,
Fico fora de rumo,
Fico sem lago (e já não é preciso)
Fico Narciso
Sem beleza.

No bonito dos teus olhos,
Fico Narciso,
Proscrito,
Fico sem ar,
Sem mar,
Sem parede nua para se encostar

Na beleza dos teus olhos,
Fico sem pressa,
Sem sapatos,
Fico sem vergonha,
Fico envergonhado,
Sem remédio,
Fico acorrentado,
Sem tédio,
Fico enamorado,
Sem salário,
Fico amedrontado.
Fico sem
Sem beleza,
Na beleza dos teus olhos.


Renato Marques

(Imagem: Narciso, de Caravaggio, [Michelangelo Merisi da Caravaggio][1571-1610])